A CONTA PICPAY

NO PAREDÃO

Não tenho assistido ao Big Brother Brasil (BBB) deste ano, mas é impossível não saber o que acontece no programa. As redes sociais só falam sobre isso.

Muita gente que, assim como eu, não ligava muito para o reality show, se viu, no começo da edição, votando para eliminar Karol Conká – a rapper e cantora curitibana que espalhou polêmica e saiu com 99% dos votos, recorde de rejeição da história do programa. 

Caso você tenha caído de paraquedas no assunto, deixa eu explicar como funciona a votação na casa mais famosa do Brasil.

Todos os domingos, os confinados são reunidos para selecionar três pessoas para compor o painel de eliminação daquela semana (o famoso “paredão”). Dois dias depois, um dos participantes é eliminado pelo voto popular.

Então a dinâmica semanal do reality recomeça: a Prova do Líder seleciona quem reinará na casa nos próximos dias, com direito a enviar alguém direto para a berlinda. Ainda tem a Prova do Anjo – que pode imunizar alguém ou ganhar a imunidade –, entre outras surpresas, como o big fone, monstros (não de verdade), festas com artistas famosos, provas bate e volta e até paredão falso.

Tudo isso deixa os sentimentos dos participantes à flor da pele, e os conflitos são inevitáveis. O que dá mais elementos e emoção para a escolha dos emparedados, que serão julgados por milhões de pessoas Brasil afora.

Agora que o programa está na reta final, quero propor um exercício aqui neste relatório-presente.

Que tal mandarmos ao paredão um dos patrocinadores do BBB 2021? A conta PicPay!

O aplicativo de pagamentos mais queridinho do Brasil é, também, estrela das provas e festas do programa. Na boca do povo, sua conta digital remunerada parece que veio para ficar.

Será que ela será eliminada? Vem comigo para descobrir!

Mas, antes de tudo, muito prazer!

Sou Guilherme Cadonhotto, economista (mas não gosto de usar camisa e terno, e sim camiseta e jeans), venho dedicando minha vida profissional à gestão de renda fixa em grandes casas de investimentos e, há quase dois anos, estou a bordo da Spiti.

Aliás, você já conhece a Spiti?

No segundo semestre de 2019, Luciana Seabra (CEO da Spiti) assinou um memorando de entendimentos com Guilherme Benchimol (CEO da XP Inc.) para criar uma empresa cujo objetivo é fazer recomendações de investimentos com alto potencial de acertos para você, em uma linguagem acessível, sem os vícios do vocabulário do mercado financeiro.

Assim nasceu a Spiti, cujo nome, em grego, significa “casa”. Aqui nós falamos de dinheiro de forma simples e direta, sem frescura nem rodeios e, principalmente, sem exageros.

Luciana fez um acordo com o Guilherme de que nós teríamos independência total para continuar recomendando apenas os produtos em que acreditamos, não importa de que gestora ou corretora. 

Era o que faltava para a XP Inc. complementar a gama de serviços já oferecidos: uma casa de análise independente, que ajude as pessoas a investir melhor para transformar as suas vidas.

Quem paga pelo nosso trabalho?

Os assinantes das nossas publicações. Nunca recebemos nada pelos produtos que recomendamos.

Você não pagou nada por este relatório, nem vai pagar nada pelas newsletters que vai receber no seu e-mail a partir de hoje. Elas são enviadas para que você conheça nosso trabalho.

Depois, você fica à vontade para decidir se assina ou não nossas séries de relatórios.

Agora que você nos conhece um pouco melhor, vamos falar do BBB, ops, do PicPay.

A marca surgiu em 2012, como um aplicativo de pagamento digital e, posteriormente, foi adquirida pelo conglomerado financeiro do Banco Original (por isso a identidade visual de ambas as marcas é verde e bem similar).

O PicPay tem como público-alvo pessoas físicas e pequenos e médios empreendedores, e oferece praticidade para pagamentos no dia a dia.

Uma das vantagens de fazer parte do conglomerado do Original é que isso traz mais robustez à instituição, já que ele é controlado pela J&F Participações – mesma holding da JBS, líder global na indústria de alimentos.

Atualmente, o aplicativo conta com mais de 50 milhões de usuários ativos (o que é impressionante!).

Certamente, a primeira Prova do Líder de 2021 contribuiu em muito para aumentar a sua carteira de clientes.

Só para você ter uma ideia, durante a “Prova PicPay” – como ficou popularmente conhecida –, a empresa registrou 3 mil novos usuários por minuto.

Em outra ação da marca, os vencedores das “Provas do Anjo” ganharam como presente a possibilidade de transferir R$ 5 mil para alguém querido por meio da conta remunerada do PicPay. Essa conta tem chamado a atenção do mercado, por oferecer condições melhores que a concorrência. Mas será que vale a pena manter o dinheiro ali?

Em primeiro lugar, deixa eu explicar o que é uma conta remunerada.

Trata-se de uma conta corrente, na qual você recebe rendimentos diários pelo saldo mantido nela. 

Os grandes bancos já oferecem essa opção, mas seus recursos costumam ser aplicados em fundos de investimentos com taxas demasiadamente altas ou em CDBs com retornos muito baixos. 

Atualmente, os bancos digitais estão revisitando essa ideia e oferecendo serviços com o mesmo propósito e condições bem interessantes. É o caso das contas digitais remuneradas do PicPay. 

De acordo com o Banco Central, o dinheiro lá depositado não responde pelas obrigações da instituição de pagamento. Isso é ótimo, pois, em caso de falência ou liquidação, o seu dinheiro não poderá ser usado para quitar eventuais dívidas que o banco tiver. 

A quantia fica em uma conta específica mantida pelo Banco Central ou aplicada em Títulos Públicos Federais. Assim, você basicamente se expõe ao risco de um título público – que é baixíssimo. 

Gui, por que a conta PicPay faz tanto sucesso? 


Talvez você já tenha ouvido falar sobre a vantajosa taxa de remuneração oferecida por eles: 210% do CDI, condição que perdurou até 18 de março de 2021. Depois disso, após a alta da taxa básica de juros, a Selic, de 2% para 2,75%, a remuneração abaixou para 150% do CDI (afinal, o CDI também sobe quando a Selic aumenta).

Mesmo assim, a taxa de remuneração do PicPay é ainda a maior do mercado atualmente. Para efeito de comparação, a do Nubank, seu principal concorrente, rende 100% do CDI (nesse paredão, não há dúvidas de que o PicPay levaria a melhor, não é mesmo?).

Como este é certamente um jeito que a instituição arrumou para atrair novos clientes, não sabemos por quanto tempo ainda vai durar essa taxa de remuneração.

Verdadeiro ou falso:
devo colocar todo meu investimento em renda fixa em contas remuneradas? FALSO!

Com todo o sucesso no BBB, a mídia ficou abarrotada de comentários sobre o fato de a conta remunerada do PicPay render mais que a poupança. O que é verdade. A poupança rende 70% da Selic + TR (Taxa Referencial) – que hoje não chega a 2% ao ano. Quando colocados lado a lado, o PicPay ganha mais um paredão.

Mas não se engane: para investir no médio e longo prazo, existem outras opções de títulos de renda fixa, garantidos pelo FGC, com menor risco e maior retorno.

Isso não significa que a conta PicPay é um “basculho” – expressão recifense dita pelo brother Gil, um dos favoritos para vencer o programa.

Isto é, a conta PicPay não é coisa de se jogar fora. Ao contrário, pode ser muito interessante para:

1. Uma parcela da sua reserva de emergência

Antes de tudo, vale esclarecer o que é essa tal “reserva de emergência”. Ela nada mais é do que o dinheiro que você tem de guardar para cobrir alguma urgência ou suas contas, caso você fique sem renda por um tempo.

Para saber quanto colocar nela, basta calcular o seu custo mensal básico – aluguel, energia elétrica, telefone, Globoplay (que, em tempos de isolamento social e BBB, virou item essencial) e o que mais quiser colocar nesse balaio – multiplicado por, no mínimo, três.

Se essa despesa é de R$ 3 mil, sua reserva de emergência deve ser de pelo menos R$ 9 mil. Para uma pessoa que tem muitos dependentes ou um trabalho informal, a reserva de emergência ideal pode subir para até 12 vezes o custo mensal.

Essa quantia você deve investir de forma extremamente conservadora, por exemplo, no Tesouro Selic – aquele título público pós-fixado que vai render o mesmo que a taxa básica de juros, que é definida pelo Banco Central e serve de referência para toda a economia.

O investimento também deve ter liquidez imediata para cobrir gastos inusitados.

Como o dinheiro que colocamos em contas remuneradas é automática e indiretamente investido em títulos públicos pós-fixados, considero essa uma interessante opção para deixar, no máximo, um quarto da sua reserva de emergência (eu não colocaria tudo, pois caso aconteça algo com a empresa, pode demorar um pouquinho para você receber o dinheiro, o que não queremos que ocorra em meio a uma emergência, não é mesmo?).

2. As despesas do cotidiano

Melhor do que só receber o salário, é deixá-lo rendendo a 150% do CDI enquanto os boletos como aluguel, supermercado, mensalidade da escola das crianças e outros (infinitos) não vencem. Vale muito a pena!

Então corre, porque 150% do CDI é uma taxa promocional, que tem seus dias contados – a qualquer momento o aplicativo de pagamentos pode abaixar a remuneração para 100% do CDI (o padrão) e sem aviso prévio.

Palavras finais antes do resultado da votação:

Assim como Tiago Leifert, quero fazer um breve discurso antes de anunciar o resultado do paredão.

Devido a ações de marketing como a do PicPay, em programas populares como o BBB, brasileiros e brasileiras estão interagindo cada vez mais com o mundo financeiro.

Outro dia, estava tomando café em uma padaria enquanto esperava minha namorada e, quando olho para a televisão, vejo a Ana Maria Braga, no seu programa Mais Você, falando sobre conta remunerada.

E mais – em um dos episódios do reality, Gil, que é economista e recém-admitido em programas de Ph.D. em Economia nos Estados Unidos, deu um show de educação financeira ao ensinar para Juliette, outra participante, qual é a relação entre desemprego e inflação.

Quem imaginaria que a televisão, em espaços nobres e tão assistidos, falaria tão abertamente sobre assuntos como investimento e economia, de forma simples e de fácil compreensão? Isso me deixou muito feliz, porque é o que busco fazer no meu trabalho aqui na Spiti.

Bom, sem mais enrolação, vamos ao veredito.

No paredão de hoje, o PicPay está salvo e não será eliminado!  

Enquanto sua taxa de remuneração for bem melhor do que a concorrência, recomendo sua conta para os casos que listei acima (parte da reserva de emergência e contas do dia a dia) – lembre-se, não é para deixar todo o seu investimento em renda fixa ali!

Quer saber sobre mais sobre os outros participantes, digo, outros produtos para investir? Conte com a gente. Nós, da Spiti, queremos ajudar você a entender o mundo dos investimentos, mas, diferentemente do BBB ou da Ana Maria Braga, estamos totalmente focados nesta missão.  

Sabemos que nem sempre essa é uma tarefa fácil, por isso espero ter a oportunidade de mostrar a você investimentos confiáveis e com bons retornos em outras oportunidades – sem a pressão do paredão.  

Boas-vindas e até a próxima,

Um abraço e até breve,

Guilherme Cadonhotto

Guilherme Cadonhotto
Guilherme Cadonhotto


Guilherme Cadonhotto é especialista em renda fixa da Spiti, técnico em Administração de Empresas e bacharel em Economia. Atuou na mesa de operações como trader de renda fixa na SulAmérica Investimentos e como analista de investimentos na asset da Porto Seguro. Acredita que simplicidade e bom humor, sempre presentes em suas publicações e vídeos, são essenciais para tornar a informação e a compreensão dos conteúdos de investimentos mais acessíveis a todos.

Analista responsável:
Luciana Seabra


Gostaria de acessar outros relatórios como este?
Então conheça a Spiti!

Sou a Luciana Seabra, CEO da Spiti, e misturei duas formações, em Comunicação e Economia, com o propósito de ajudar as pessoas a ganharem mais dinheiro investindo melhor. Também sou analista CNPI e planejadora certificada CFP®.

Reuni 42 pessoas em torno do mesmo propósito para construirmos juntas, começando em setembro de 2019, uma casa de análise regulada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), cujo objetivo é fazer recomendações de investimentos com alto potencial de acerto, em uma linguagem acessível a todos. O nome dela é Spiti, casa em grego – porque investimento não é nada de outro mundo, mas, sim, algo que se discute de forma cotidiana, caseira, próxima.

Uma condição é decisiva para nós: eu e minha equipe temos independência total para recomendar apenas os produtos em que acreditamos, não importa em que gestora ou corretora.

Você vai ver essa independência ao acompanhar nosso trabalho.

É isso que fazemos aqui na Spiti. Ao receber este nosso relatório-presente, você passa a fazer parte do grupo de pessoas que têm acesso a orientações de investimento de alto nível e em bom português. Um grupo ainda seleto, mas que, se depender da gente, vai se ampliar cada vez mais.

Somos independentes porque quem paga pelo trabalho meu e de minha equipe são os assinantes das nossas séries. Jamais somos comissionados pelos produtos que recomendamos.

Você não está pagando nada por este conteúdo – ele é uma amostra grátis para conhecer o nosso trabalho.

Até mais!

Luciana Seabra e Spiti


Este relatório de análise foi elaborado pela Spiti Análise Ltda. (“Spiti Análise” ou “Spiti”) de acordo com todas as exigências previstas na Instrução CVM nº 598, de 3 de maio de 2018, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Spiti Análise não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelos assinantes com base no presente relatório. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Spiti Análise e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da Spiti Análise estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da Spiti Análise. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de investidor. Antes de qualquer decisão, os assinantes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Spiti Análise. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Spiti. A Spiti se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo.