Chegou a hora de você ter a chance de ganhar dinheiro em dólar e outras moedas fortes…

E multiplicar o seu patrimônio com uma estratégia que pode te gerar retornos consistentes ao longo do tempo.

Chegou a hora de investir fora do Brasil…

E vou te falar uma coisa: investir lá fora pode ser algo tão natural quanto investir aqui dentro.

Sabe por que isso pode acontecer?

Bom… é bem simples. Tudo na vida é um processo.

No início, a maioria das pessoas estava acostumada a fazer investimentos através dos bancos.

Já tínhamos o costume de pensar que lá é lugar para guardar o nosso dinheiro.

Quando começaram a surgir oportunidades de investimentos por lá, o movimento foi natural.

As pessoas acabaram se acostumando a ouvir recomendações de investimentos vindas dos gerentes.

Depois disso, o mercado acabou evoluindo e começou um processo de desbancarização. 

Nem dá para imaginar que um tempo atrás muita gente tinha uma certa insegurança em investir através de corretoras.

E hoje temos aplicativos de corretoras no celular e investimos nosso dinheiro em questão de minutos.

Que mudança, não é? 

Só que esse processo, essa jornada de investimento, ainda não acabou.

Estamos indo para uma nova fase… a de democratizar os investimentos fora do Brasil.

Talvez você até tenha percebido que isso já está acontecendo.

É só olhar as notícias que estão sendo divulgadas por aí… 

Fonte: Estadão
Fonte: A Gazeta
Fonte: Valor Investe

Apesar de parecer algo bem recente, a verdade é que há muitos anos os brasileiros investem fora do Brasil.

Só que, até então, o acesso a essas oportunidades era restrito para apenas determinados tipos de clientes.

Por isso que a grande maioria das pessoas nem sabia que isso era possível – alguns inclusive acham que era ilegal investir lá fora!

Outros nem sabiam que existia essa possibilidade por falta de acesso a esses investimentos.

Mas está acontecendo uma mudança no mercado.

Como você pode ver no gráfico abaixo, os investimentos em ações no exterior alcançaram um pico de aproximadamente R$ 25 bilhões.

Fonte: BCB e Spiti | Período de 14/07/2011 a 14/07/2021

Não é por acaso que isso aconteceu.

Antes, as pessoas não tinham nenhum estímulo para cruzar a fronteira e investir fora do Brasil.

Afinal, era mais fácil ganhar 14% ao ano investindo em Tesouro Selic. 

Com o ciclo de queda da nossa taxa de juros, investidores tiveram que buscar novas formas de diversificação para manter retornos atrativos ao longo do tempo. 

A partir daí, começou um movimento que trouxe novas oportunidades de investimento no exterior para a maioria das pessoas.

Primeiro, vieram os BDRs.

Fonte: Valor Econômico
Fonte: Infomoney

Só para esclarecer rapidamente um ponto importante: já existiam BDRs na Bolsa brasileira.

Mas apenas os investidores qualificados (que tinham mais de R$ 1 milhão em aplicações financeiras) podiam comprá-los.

E, à medida que o mercado foi mudando, as regras do jogo também começaram a mudar.

De acordo com o presidente da CVM, Marcelo Barbosa, o objetivo por trás da liberação dos BDRs foi:

“conferir maior flexibilidade a investimentos por meio de BDRs, para que investidores brasileiros possam diversificar seus portfólios.”

Sem dúvida que a democratização dos BDRs já foi um grande passo para quem quisesse começar a investir lá fora de uma maneira rápida e simples e, ainda por cima, sem precisar sair do Brasil.

Isso foi apenas o começo de um movimento de internacionalização dos investimentos.

Depois dos BDRs, a oferta de novos ETFs, assim como o fluxo de dinheiro para essa modalidade de investimento no exterior, também começou a se aquecer.

E esse é um outro tipo de investimento que tem se tornado cada vez mais popular, como você pode ver pelas notícias abaixo:

Fonte: Infomoney
Fonte: Valor Econômico
Fonte: Você S.A.

Esse tipo de investimento vem ganhando bastante popularidade porque permite que as pessoas consigam investir no exterior de uma maneira simples, prática, fácil e com pouco investimento.

Além disso, os ETFs permitem que qualquer investidor consiga diversificar seus investimentos e ter exposição a diversos setores, índices e moedas ao redor do mundo.

Como você pode observar, a cada dia que passa, o acesso aos investimentos no exterior tem se tornado mais fácil.

Foram essas novas oportunidades de investimento que estão surgindo no mercado que fizeram com que as pessoas começassem a se perguntar…

Será que vale a pena investir todo o seu dinheiro no Brasil?

Não demora muito para perceber que a resposta é não.

Um dos principais motivos para começar a investir uma parte do seu dinheiro lá fora é proteger o seu patrimônio.

É só pensar na história econômica do Brasil.

Quantas trocas de moedas tivemos? Desde a Independência, em 1822, tivemos nove trocas de padrão monetário e sete moedas.

Aqui vale mencionar uma curiosidade.

Neste ano, o real completou 27 anos de vida no dia 1º de julho, e é considerada a tentativa de maior sucesso a ser implementada, mesmo que tenha perdido muito poder de compra ao longo do tempo.

Você consegue se lembrar do que você podia comprar com 1 real em 1995?

Todos os ingredientes necessários para fazer um bolo de chocolate. Hoje, talvez você não compre nem o granulado da cobertura.

O motivo de tantas trocas de moedas e dessa desvalorização do real é a inflação que, inclusive, tem nos assombrado novamente à medida que a economia vai retomando sua força.

E não podemos nos esquecer que ainda estamos passando por um período de muitas incertezas e instabilidade política.

O Brasil não é para amadores.

Aqui sempre acontece algum evento na política ou na economia que acaba afetando a taxa de juros, câmbio e a Bolsa brasileira.

Fonte: Valor Investe
Fonte: Correio Braziliense
Fonte: Infomoney
Fonte: Valor Investe

Intervenção do governo na Petrobras, CPI da Covid…

Tudo isso trouxe mais risco ao cenário político e econômico.

Ao ler essas notícias, fica claro que manter todo o seu patrimônio sob uma única moeda de país emergente pode ser um pouco arriscado.

Afinal de contas, não temos controle sobre o que os responsáveis pelas políticas econômicas farão no futuro.

A verdade é que investir todo o seu dinheiro apenas no Brasil não é o suficiente para blindar efetivamente o seu patrimônio.

Não é à toa que os investidores brasileiros acabam buscando alguma alternativa para diminuir o impacto do risco-Brasil nos seus investimentos.

Redução da exposição ao risco-Brasil

O risco-Brasil ou risco-país mede a confiança dos investidores em relação às economias, principalmente as emergentes.

Se o indicador sobe, é sinal de que investidores estão sentindo bastante incerteza em relação ao futuro financeiro do país e a sua capacidade de honrar as dívidas e seus compromissos financeiros.

Uma forma de medir o risco-país é através do Credit Default Swap (CDS).

Basicamente, o CDS funciona como um seguro pago pelos investidores para se protegerem contra eventuais calotes do pagamento de títulos públicos.

Quanto maior o risco para investir em um país, mais caro será o CDS.

Olhando o gráfico abaixo, podemos observar que houve um aumento no seu preço a partir do início da pandemia. Entretanto, o que mais chama atenção é a disparidade do CDS do Brasil quando comparado ao de uma nação desenvolvida como os Estados Unidos.

Fonte: Bloomberg e Spiti | Período de Jan/2007 a Mai/2021

Isso significa que os investidores estrangeiros ainda estão com receio de investir no Brasil pelo risco de nossa trajetória fiscal.

O dinheiro busca segurança e rentabilidade em qualquer lugar do mundo.

Aqui vale uma reflexão…

Diante de tanta incerteza política e econômica, será que deixar todo o seu dinheiro no Brasil realmente é a melhor opção? 

Ainda mais se você quer proteger o seu patrimônio e garantir o seu futuro financeiro e o da sua família.

Talvez agora seja um bom momento para você começar a pensar na possibilidade de investir fora do Brasil.

Por que diversificar seu investimento em outro país?

Olha só o que acontece quando comparamos o desempenho da Bolsa americana (convertida para reais) com a Bolsa brasileira.

Fonte: Bloomberg e Spiti | Período de 14/07/2012 a 14/07/2021

Fizemos a conversão para reais e estamos adicionando à valorização da Bolsa americana a variação cambial entre o dólar e o real no período. 

Como são ações de outro país, temos uma menor correlação com nossa Bolsa local, além disso, o dólar tem correlação histórica negativa com as ações brasileiras.

Contra fatos, não há argumentos.

Olhando o gráfico acima, podemos observar que o retorno acumulado da Bolsa americana foi de 977,5%, enquanto o da brasileira foi de 116,5% no mesmo período.

Por isso, eu te pergunto: tem certeza de que você quer continuar investindo todo o seu dinheiro somente no Brasil?

Ou seja, ao adicionar investimentos no exterior dolarizados, você tende a construir uma carteira com menor risco e maior potencial de retorno. 

Aí está mais um motivo para você investir fora do Brasil.

Além disso, ao cruzar a fronteira, temos à nossa disposição investimentos em empresas grandes, consolidadas, estabelecidas em países desenvolvidos.

E, ao investir nelas, temos uma volatilidade menor do que a observada na Bolsa brasileira.

Quer um exemplo?

Então, vamos comparar a volatilidade dos índices americanos Nasdaq e S&P 500, e Stoxx Europe 600 (que representa as 600 maiores ações europeias) com o índice brasileiro que representa a Bolsa brasileira, o Ibovespa.

Fonte: Bloomberg e Spiti | Período de 31/12/2009 a 14/07/2021

Se tomarmos a volatilidade como uma métrica de risco, esse gráfico deixa claro que ambas apresentam um risco menor do que a Bolsa brasileira.

É fácil entender por que isso acontece.

As empresas que estão listadas lá fora diversificam suas receitas ao redor do mundo e estão localizadas em um país com menos riscos político, econômico e fiscal do que o Brasil.

Além de proteger o seu patrimônio no longo prazo, outra vantagem de investir uma parte do seu dinheiro fora do Brasil é que…Você pode ter acesso a setores que estão revolucionando o mundo e que podem gerar ótimos retornos para a sua carteira, como, por exemplo, investimento no setor de tecnologia, que no Brasil ainda é muito incipiente:

Fonte: Bloomberg e Spiti | Período de 31/12/2009 a 14/07/2021

Esse foi apenas um exemplo para você ter uma ideia: um retorno de nada menos do que 2.401,2%!

O retorno exibido acima considera, também, a valorização do dólar. 

Ainda assim, esse exemplo já serve para mostrar como você pode estar abrindo mão de retornos significativos na sua carteira ao deixar todo o seu dinheiro no Brasil.

Por isso, vamos a um outro ponto que faz com que investir uma parte do seu dinheiro lá fora seja ainda mais atraente.

Estou falando da possibilidade de…

Aumentar o poder aquisitivo em moeda forte

Uma das maiores vantagens de investir uma parte do seu dinheiro fora do Brasil é a possibilidade de preservar e aumentar o poder de compra em moeda forte.

Ao investir em alternativas dolarizadas, por exemplo, você vai ganhar com a valorização do ativo e preservar seu poder aquisitivo em moeda forte ao longo do tempo, pois seu investimento será corrigido pela cotação do dólar frente ao real. 

Assim, você pode começar a “virar a chave” e pensar na quantidade de dólares ganhos ao longo do tempo.

Fonte: Bloomberg e Spiti | Período de 31/12/2009 a 14/07/2021

E isso é bem legal.

Ainda mais se você já é consumidor de marcas globais, se abastece seu carro com gasolina, se gosta de viajar para o exterior, se pretende fazer um MBA fora ou qualquer outro tipo de gasto que tenha influência do dólar.

Então, por que não incluir na sua carteira ativos que podem aumentar o seu poder aquisitivo ao longo do tempo?

Ainda mais agora que o acesso aos investimentos no exterior estão mais acessíveis para a maioria das pessoas.


Como fazer o seu primeiro investimento no exterior

Chegamos então ao momento mais importante: a hora de realizar seus primeiros investimentos no exterior.

Eu entendo perfeitamente que investir fora do Brasil pode parecer complicado, mas não é.

Hoje em dia investir lá fora se tornou algo bem simples.

Dá, sim, pra montar uma carteira excelente daqui mesmo do Brasil.

Inclusive, você pode investir em BDRs ou ETFs até mesmo através da sua própria corretora ou, se preferir, pode abrir uma conta em um site em questão de minutos.

Como eu disse no início desta mensagem, investir lá fora pode ser algo tão natural quanto investir aqui dentro.

Deixa eu te falar uma coisa…

Faz parte da natureza humana investir naquilo que nos é mais familiar. 

Essa preferência por investimento local tem um nome: home bias, ou viés local.

Só que esse tipo de comportamento pode acabar custando caro no longo prazo.

Veja só este exemplo…

Façamos uma comparação entre dois investidores. 

O primeiro investe 100% de seu patrimônio em um ETF que segue o índice Ibovespa, que representa o mercado de ações brasileiro. 

O segundo investe 80% no mesmo ETF de Ibovespa, porém dedica 20% a um ETF de ações americanas que siga o índice S&P 500. 

Se ambos tivessem aportado R$ 10 mil ou R$ 20 mil ou R$ 50 mil no começo de 2010, hoje, pouco mais de 11 anos depois, esta seria a diferença:

Fonte: Bloomberg e Spiti | Período de 31/12/2009 a 14/07/2021
Fonte: Bloomberg e Spiti | Período de 31/12/2009 a 14/07/2021
Fonte: Bloomberg e Spiti | Período de 31/12/2009 a 14/07/2021

E o melhor, o segundo portfólio apresentou uma volatilidade anual média de 20,6%, enquanto o primeiro teve mais risco, com uma volatilidade de 24,3%.

É claro que retornos passados não são garantia de retornos futuros.

Mas isso foi só para te mostrar como você pode estar abrindo mão de um potencial de ganho se continuar investindo apenas no Brasil.

Mas a boa notícia é que…

Agora você tem a chance de multiplicar o seu patrimônio de maneira segura, passiva e barata.

Ainda por cima, investir nos mercados mais promissores do mundo quando as coisas não estão caminhando bem por aqui.

Além de proteger e preservar o seu patrimônio, você consegue diversificar a sua carteira de uma maneira eficiente e também gerar renda em moedas fortes.

Chegou a hora de você ter a chance de ganhar dinheiro em dólar e outras moedas fortes

Se você ainda não me conhece, vou me apresentar rapidamente.

Meu nome é Felipe Arrais, sou especialista em Investimentos Globais aqui na Spiti, uma casa de análise com mais de 850 mil leitores e leitoras que acompanham nossos conteúdos.

Sou formado em Engenharia de Gestão pela Universidade Federal do ABC e Engenharia Mecatrônica pela Middlesex University London e trabalho com finanças desde 2015.

De lá pra cá, meu projeto de vida tem sido a educação financeira.

Trabalhei em outra casa de análise por um tempo, onde fui responsável por estruturar a área de análise de fundos e ETFs globais, criando fundos de fundos (FoFs)  internacionais voltados ao investidor de varejo.

Hoje, estou na Spiti ao lado de uma equipe excepcional, carregando a bandeira da internacionalização dos investimentos, nicho ainda inexplorado por muitas pessoas no Brasil.

Bom, agora você já sabe um pouco mais sobre mim…E, se você quiser, posso estar ao seu lado para te ajudar a potencializar o retorno do seu portfólio com investimentos no exterior através da série…

A série Você, Investidor Global é a porta de entrada para quem deseja investir nos maiores mercados do mundo em busca de diversificação, segurança e retorno para o seu patrimônio.

E eu vou te ajudar a fazer isso de uma forma prática e eficiente.

Por estar próximo de grandes gestoras estrangeiras que possuem fundos distribuídos no Brasil, consigo avaliar a performance, consistência e qualidade do retorno entregue por eles. 

E, olha, não é uma tarefa simples.

A minha opinião é de que…

Uma alocação bem desenhada, entre ativos, geografias e moedas e com uma seleção minuciosa de fundos ativos, pode aumentar a probabilidade de a sua carteira obter retornos consistentes e atraentes.

Esse é o meu objetivo na série Você, Investidor Global: potencializar o retorno da sua carteira de forma consistente através de uma alocação global.

Quer dar uma olhada no que os assinantes da série estão comentando sobre as minhas recomendações?

Agora deixa eu te mostrar tudo o que você vai ganhar ao ter acesso à série Você, Investidor Global.

Para começar, vamos falar sobre as recomendações.

Eu sei que algumas pessoas valorizam a conveniência, então fiz questão de incluir sugestões de investimentos para quem prefere investir diretamente do Brasil.

Ao entrar na área de membros, você terá acesso a uma lista com várias recomendações de fundos de proteção, multiativos, renda variável, renda fixa e ETFs/BDRs.

Tudo isso para que você possa montar a sua carteira global da melhor forma possível e consiga obter retornos significativos.

Olha só… eu entendo que cada pessoa tem um perfil e um objetivo diferente ou gosta de implementar estratégias de maneiras distintas.

Por isso, eu publiquei um relatório especial chamado “A Bússola dos Mercados Globais”.

Ao ler esse relatório, você vai entender como montar a sua carteira global com base em nossa sugestão de alocação entre classes de ativos, geografias e moedas.

Você vai encontrar esse relatório lá dentro da área da sua área de membros, junto com outros relatórios que eu publico a cada semana.

Além disso, você também terá acesso a um grupo exclusivo no Telegram.

Somente os assinantes da série podem participar, e é lá que você vai receber links para todos os conteúdos da série, áudios, vídeos e muito mais, de uma forma rápida e dinâmica.

Você também vai receber uma notificação instantânea (alerta-relâmpago) sobre qualquer sugestão de compra ou venda diretamente no seu celular e no seu e-mail.

Mas não é só isso…

Eu entendo perfeitamente que muitas dúvidas podem surgir no meio do caminho.

Por isso, toda semana eu vou realizar uma live ao vivo e online para tirar as suas dúvidas (e a dos outros assinantes da série).

Fique à vontade para participar quando quiser.

E, se por algum motivo você não puder participar, não se preocupe. Porque as lives vão ficar gravadas. 

Resumindo, você vai ter tudo isto ao liberar seu acesso à série Você, Investidor Global:

Deixa eu te contar mais uma coisa…

Você já parou para pensar quanto custaria se você contratasse um consultor financeiro para te ajudar a investir o seu dinheiro lá fora?

Provavelmente, seria algo em torno de R$ 200 a R$ 400 por hora.

Esse valor é o que pessoas com milhares de reais costumam pagar para ter acesso a informações desse tipo.

Mas você pode ter acesso a tudo isso por apenas uma fração do preço!

Agora, deixa eu te falar a melhor parte.

Sabe quanto é que custa o acesso à série Você, Investidor Global?

Apenas R$ 19,90/mês.

Sério… é só isso!

Apenas 12 vezes de R$ 19,90. E ainda tem o desconto de 10% no pagamento à vista com o cartão.

Se você parar para pensar, vai se dar conta de que é mais barato do que uma assinatura mensal da Netflix.

Não estou falando para você sair daqui e cancelar a sua assinatura na Netflix.

Só estou falando para que você possa se dar conta de que vale muito a pena assinar a série Você, Investidor Global.

O próximo passo é bem simples.

É só clicar no botão abaixo e começar a investir nas economias mais promissoras do mundo e proteger o seu patrimônio.

Ainda tenho mais uma coisa para te falar…

Se você ainda não tiver certeza se deve ou não assinar a série… eu quero te propor uma alternativa.

Você pode ter acesso TOTAL à minha série por 7 dias sem nenhum compromisso.

Ou seja, você pode entrar na tabela e ver as recomendações, dar uma lida nos relatórios, participar das lives…

Sim… você tem todo o direito de conhecer a série por inteiro.

Aqui na Spiti, nós queremos que você se sinta à vontade para, pelo menos, experimentar a série, e que você fique feliz com tudo aquilo que recebeu.

E, caso decida que ela não é para você, não se preocupe, que nós fazemos questão de devolver todo o seu dinheiro.

Você percebeu que não precisa se preocupar com absolutamente nada?

É isso mesmo que você ouviu… você pode experimentar a série, sem nenhum compromisso.

É só clicar no botão abaixo.

Não vejo a hora de estar ao seu lado e te ajudar não apenas a proteger o seu patrimônio, mas também a ir atrás de retornos significativos lá fora!

Um abraço,

Felipe Arrais